Relatório do Conselho de Administração

(9h10min) – O presidente José Valdir passa a apresentar o Relatório do Conselho de Administração e as contas do exercício de 2014, com os seguintes destaques:

  • Aumento do quadro social, de 124.614 para 130.240 associados; um aumento percentual de 4,51%, comparado a 2013;
  • Crescimento de 15,6% da carteira de empréstimos, comparativamente a 2013, alcançando o valor de mais de um bilhão e cem milhões de reais;
  • Incremento de 14,1% do saldo de aplicações, totalizando mais de um bilhão e cem milhões de reais, contra 995 milhões de reais em 2013;
  • Crescimento de 15,1% dos Ativos, totalizando R$ 1.576.703 mil em 31 de dezembro de 2014, comparativamente aos R$ 1.369.693 mil de 2013;
  • Aumento do Capital no percentual de 11,8%, na comparação com 2013, atingindo R$ 208,5 milhões;
  • Elevação em 11,6% do Patrimônio Líquido, quando comparado a 2013, alcançando R$ 338 milhões.

Um vídeo histórico sobre o ano de 2014 na economia é exibido ao colegiado. Em sua apresentação, o presidente da Cooperforte destaca que o IPCA – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – em 2014, teve impacto inflacionário sobre itens que compõem a cesta básica de produtos e serviços no país, e sobre os serviços financeiros. A taxa média para operações de crédito no sistema bancário nacional superou os 100 pontos percentuais em dezembro do ano passado, comparada ao percentual de 86,1% ao fim de 2013, revelando que 2015 será um ano de desafios, apresentando um período de incertezas, retração e prudência.

A respeito do desempenho positivo da Cooperforte em 2014, o presidente José Valdir pontua que a filosofia de gestão da cooperativa se pauta em sólidos fundamentos social, econômico e administrativo, sendo eles baseados (a) na vontade dos cooperados; (b) na obediência aos princípios cooperativistas; (c) na responsabilidade social com seus cooperados, com sua comunidade e com o planeta; (d) em máquina administrativa simplificada e enxuta; (e) em baixa inadimplência; (f) no contínuo crescimento do quadro social e das operações ativas e passivas; (g) na competência técnica de seus administradores e funcionários, com produtividade crescente; e (h) na continuidade administrativa com espírito empresarial.

Em quadro comparativo, o presidente José Valdir informa que a distribuição das sobras beneficia tanto os associados tomadores de empréstimos quando os aplicadores, na seguinte medida: a taxa efetiva sobre empréstimos – tomando por base a linha FORTE 72, de maior prazo para pagamento – em 2014, de 23,7% ao ano, reduziu-se para 21,8% ao ano, em vista da distribuição das sobras na proporção dos negócios realizados pelos associados com a Cooperforte. Já a taxa efetiva para depósitos a prazo – RDC, com rendimento de 11,3% ao ano, elevou-se para 13,2% ao ano após a distribuição das sobras relativas ao exercício de 2013.

Nas contas de resultado, o presidente José Valdir explana que as receitas da Cooperforte, em 2014, da ordem de R$ 288.186 milhões, aumentaram 34,9% comparativamente a 2013. As despesas foram ampliadas no percentual de 32,7%, em comparação a 2013, alcançando R$ 216.718 milhões. E as sobras brutas tiveram o expressivo incremento de 47,6% sobre o resultado de 2013, atingindo o valor de R$ 71.468 milhões.

Em 31 de dezembro de 2014 a Cooperforte dispunha, em seu quadro social, de 130.020 associados Pessoa Física, sendo 61,6% deles oriundos do Banco do Brasil; 17,3% pertencentes ao grupo de associados-família, vinculados a associados funcionários dos bancos públicos federais e do conglomerado destes bancos; 10,6% de associados advindos da Caixa Econômica Federal; e 10,5% de associados vinculados ao Banco do Nordeste, ao Banco da Amazônia, ao BNDES, ao Banco Central do Brasil e ao conglomerado destas instituições financeiras.

O presidente José Valdir cita que 71,8% dos associados têm idade entre 21 e 60 anos. Também expõe que o quadro social da cooperativa é composto por 42,1% de associadas e 57,9% de associados; e sua distribuição, no país, apresenta estes percentuais: 5% na região Norte; 17,9% na região Centro-Oeste; 14,5% na região Sul; 20,9% na região Nordeste; e 20,9% na região Sudeste.

Em sua explanação, o presidente José Valdir apresenta o rating (classificação de uma empresa ou instituição em termos de risco de crédito) conferido à Cooperforte pelo Comitê de Risco RISKcoop e LFRating, sendo a seguinte pontuação alcançada pela cooperativa: A3 – Excelente Condição Geral de Risco, que é o mais alto grau que uma cooperativa pode receber na escala da LFRating, concedida somente para cooperativas com elevado grau de segurança operacional e sólida estrutura financeira. Desde 2005 a Cooperforte tem mantido a classificação A3.

Veja também